terça-feira, 30 de outubro de 2012

'Da Liege'


Me conte tuas falhas que eu te apresento os meus remendos.
(...)
Minha teoria é simples.
Meu sentir é memso exagerado
. Me jogo,
me lasco,
me entrego,
me esfolo inteira.
Melhor do que viver pela metade. 
Gostar pela metade. 
Acreditar pela metade
. Pra tombo há remédio, há refazer. 
Pra sonho desperdiçado, não, jamais terá,
é o fim eterno.

Ah vai lá vai... te solta, te abre, te reergue. 

Vai lá, vai?! 
Te remonta e segue
. Te assume, faz a tua vontade, 
respeita quem tu quer perto 
e quem não quer também,
 é pra viver em sociedade
. Puxa pro teu lado teus amores,
 eleva essa voz,
 seja seguro no teu desejo mais profundo.
Mas não desiste né?!
 Tu tens teu sonho,
 só tu sabe o quanto precisou 
abdicar para traçar e lutar
. E a tal da saudade?
 Saudade até que é bom, 
é melhor que caminhar vazio,
 e a esperança é um dom
 que a gente tem em si, tem sim!!
 Não te desespera vai?! 
Olha pelo revés. 
Eu nunca vi um mal aparente
 sem nenhum bem conseqüente
. Vai lá?
 A gente ainda tem muito por viver,
 muito por ser feliz
. Eu ainda deito e penso:
 o destino da felicidade 
me foi traçado no berço.
E o tempo,
 esse mesmo tempo que desmonta tudo
, que tudo mexe,
 é o mesmo, o esmo tempo
 que coloca tudo - 
mas absolutamente tudo - 
no lugar novamente.
Maturidade é aceitar ainda que doa, 

que algumas coisas não acontecem 
exatamente quando queremos,
 mas quando tem que ser.
 Maturidade é aceitar o que merecemos,
 e deixar de lutar 
apenas por aquilo que achamos que queremos. 
Não se trata de conformismo, 
mas sim de entendimento. 
Ao crescermos entendemos que o que é nosso, 
nos pertence, sem lutas, sem desgastes
, e que amor deve ser sempre recíproco.
 Maturidade é entender que as vezes
 o silêncio também é resposta,
e que nem tudo precisa ser dito. 
Que em algumas situações 
as palavras tornam-se insuficientes. 
Maturidade é saber que mudanças 
são necessárias,
 que nada é estático,
 nada é permanente. 
É aceitar as novas coisas que a vida nos traz.
Crescer, é aceitar com leveza 

que algumas coisas não sairão como o esperado,

 mas também é entender 
que lá adiante outras darão tão certo,
 que nos farão esquecer do dia que deram errado."

E sempre nos momentos de aperto
é que a gente é obrigado, obrigado mesmo,
como ordem divina, do destino, o que for!
A se reerguer, ir adiante,
provar que pode muito mais, 
que pode achar uma resposta
boa e diferente no meio do caos.
Evidente, também,
que não se pode enxergar isso sozinho,
às vezes, vem pessoas incríveis,
que conhecemos de longa data ou NÃO
e nos lembram que não tem outra alternativa
e quase usando as mesmas palavras diz que...
as coisas são feitas para darem certo,
e quer mesmo saber?
!SÃO SIM!
Fazem a gente resgatar o que quase esquecemos...
a nossa fé, em dias melhores, em dias úteis
, em relações verdadeiras de afeto puro!
 quando o meu mundo era mais mundo
e todo mundo admitia
 uma uma mudança muito estranha,
 mais pureza, mais calma, mais alegria
no meu jeito de me dar...
Mas não tem revolta não,
eu só quero que você se encontre,
Ter saudade até que é bom,
 é melhor que vazio...
A esperança
 é um dom que eu tenho em mim,
eu tenho sim!
Não tem desespero não,
você me ensinou milhões de coisas,
tenho um mundo em minha mão...
Amanhã será um novo dia
 e certamente serei mais feeeeliiiz!
Eu diria
que o bom filho à casa torna sempre!
Se foi quase por um acaso que aqui nasci,
foi por escolha que pra cá me mudei.
Hoje agradeço sempre a Deus por ter vindo pra cá,
 além de sempre me sentir em casa,
 foi aqui que conheci pessoas muito especiais,
 pessoas que eu vou sempre levar comigo,
 independente de tempo e distância.
 Foi aqui
 que encaminho minha carreira profissional
e a minha formação.
Minha escolha é continuar aqui
eu to voltando pra terra, voltando pra mim,
é bom sentir-se em casa
, é bom conviver com esses peixeiro
(brincadeirinha),
 há cinco anos tudo tem sido motivo de gratidão,
uma engrenagem entre esforço e recompensas.
Eu não sei,
mas acho que a gente olha e pensa:
 “Quero pra mim”.
 Mas dá um frio na barriga,
 um tremor, um medo de depender de alguém,
 de sofrer, de escolher errado,
 de lutar por algo que não vale a pena.
 Porque o coração nem sempre é mocinho,
 as vezes ele também gosta de pregar peças,
sei lá,
 talvez queira provar
que também sabe ser vilão.
 Foi por isso que corri,
 tentei fugir, mas quando tem que ser,
 não adianta, será.
E aí chega um momento em que
não se percebe mais a real diferença
 da linha tênue da coragem ou do medo.
Na verdade a diferença
 fica quase invisível
 aos olhos de quem cansou de se esconder.
Acaba-se que perguntamos
de que vale tantas emoções
se forem pra ficarem escondidas,
 acaba-se também entendendo
 – ainda que obrigatoriamente –
que faz parte do nosso show se rever,
sofrer e viver. A cada dia que passa,
a cada momento que fazemos um balanço
 do que foi
e do que continua aqui
sempre chego irremediavelmente
 a melhor conclusão da vida:
 Só realmente
permanece o que de bom é,
as melhores experiências,
vínculos com gente de verdade,
 com gente espontânea,
que fala, que ri, que se dedica.
E ainda tem coisas que voltam,
 mas tão somente quando for pra somar.
 Pois de tudo que aprendi
no dia a dia,
foi que não precisamos
de aborrecimentos para saborear,
 o que precisamos mesmo
 é de gente que chega pra alegrar,
 que chega para curar.
Nunca é tarde demais ou cedo
 para ser quem você quer ser.
Não há limite de tempo.
 Comece quando quiser.
Mude ou continue sendo a mesma pessoa.
 Não há regras para isso.
 Você pode tirar
 o máximo proveito ou o mínimo,
estagnado é que não se pode ficar.
 Espero que tire o máximo.
 Espero que veja coisas surpreendentes.
Espero que sintas
coisas que nunca sentiu antes.
 Espero que conheça pessoas
 com um ponto de vista diferente
 e que essas venham para acrescer.
Espero
que tenha uma vida para se orgulhar.
E se não se orgulhar dela,
espero
 que encontre forças pra começar de novo,
 dez, mil ou cem vezes.
Que é pra viver bem,
que é pra ser feliz, sem culpa
, sem bagagem...
que é pra lá na frente
dizer que isso tudo valeu à pena.
“E a oportunidade chega,
 cumprimenta, conversa,
 mas você só nota a presença dela
 depois que ela já foi embora.”
"Não se pode ser infeliz,
 não se pode morrer em vida,
não se pode desistir de amar, de criar.
 Não se pode:
 é pecado, é proibido.
 Não é possível adiar a vida."
Porque quando você se identifica
 sente necessidade da outra pessoa.
Não por dependência, carência e outras ências.
 Mas porque é bom estar ali,
 com o corpo junto, coração do lado,
 ouvindo a respiração.
 Você se sente em casa.
A verdade é que não tem escapatória,
quando as coisas tendem a acontecer,
 dane-se o resto todo.
 E isso vale pra tudo:
 amor, amizades, separações, trabalho...
às vezes temos a enganosa impressão
de que existem coisas que acontecem
só pra fazer sofrer mesmo, mentira!
 Isso também veio para acrescer,
transformar, moldar!
 Mas aí
 cada um sabe como canaliza suas vivências...
Mais uma vez depende apenas da gente,
 do próprio punho, do arrebentar as correntes!
 Faz-se necessário entender
o quanto forte somos
 e que nada poderá nos embrutecer,
ainda que contrário à tudo
 é preciso ter delicadeza, generosidade
 e dar crédito aos outros!
 Afinal quem sabe se levantar,
 jamais terá medo de cair!
Nenhuma luta
haverá jamais de me embrutecer,
nenhum cotidiano
 será tão pesado a ponto de me esmagar,
 nenhuma carga
 me fará baixar a cabeça.
 quero ser diferente.
Eu sou, e se não for, me farei.
E não seria diferente desta vez...
no contexto do “todo mundo se melhorando”
ficou a questão quase indissolúvel
do lidar com algo que não poderia ser modificado
 ( e aí cada um sabe o prazer e a dor que traz),
 o lidar com a dificuldade grande
de não poder fazer nada
 a respeito de alguma coisa,
 não não seria apenas alguma coisa,
mas sim de algo importante.
É como caminhar de olhos vendados,
 aquele momento já não tinha mais alternativa,
 apenas uma adaptação nova
 e ao mesmo tempo que isso poderia assustar
, deixando espaço para tantos “porquês”,
deixou uma herança
do que poderia ainda vim de melhor...
E mais uma vez caímos no comum e fatal dialeto:
 tudo depende do ângulo de visão...
 e aos otimistas –
já que é apenas esses
 que conseguem viver com emoção
– ficou a missão de facilitar as relações
, a certeza de que a partir de agora
estaria apenas nas nossas mãos,
 eu nunca iria terceirizar
o meu compromisso com isso,
 e depois de tudo a maior lição:
 só vale mesmo viver por essas pessoas
que andam por aí...
essas a quem não duvidamos
a competência de depositar confiança,
carinho e afeto.
É trabalhoso demais tentar ser o que não se é.
 Exaustivo. Drenagem pura.
 E, no fim das contas,
 o que buscam essas pessoas
 que queremos que nos amem?
 Procuram por nós
 ou pelas pessoas que tentamos parecer?
 Por nós
 ou pelas pessoas que querem que sejamos?
 Se não for por nós,
 não tem importância alguma.
 A leveza escoa, assustada, ralo afora.
 Se não for por nós,
não é de verdade.
É mais fácil ser o que se é.
"Na hora de cantar
todo mundo enche o peito nas boates,
nos bares, levanta os braços, sorri e dispara:
“eu sou de ninguém,
eu sou de todo mundo
de todo mundo é meu também”.
No entanto, passado o efeito do whisky
com energético e dos beijos descompromissados,
os adeptos da geração “tribalhista”
se dirigem aos consultórios terapêuticos,
ou alugam os ouvidos do amigo mais próximo
e reclamam de solidão,
ausência de interesse das pessoas,
descaso e rejeição.
A maioria não quer ser de ninguém,
mas quer que alguém seja seu.
Estes, desconhecem a delícia de assistir
a um filme debaixo das cobertas
num dia chuvoso
comendo pipoca com chocolate quente,
o prazer de dormir junto abraçado,
roçando os pés
sob as cobertas
e a troca de cumplicidade,carinho e amor.
Namorar
 é algo que vai muito além das cobranças.
É cuidar do outro e ser cuidado por ela,
é telefonar só para dizer bom dia,
ter uma boa companhia
 para ir ao cinema de mãos dadas,
ter alguém para fazer e receber cafuné,
um colo para chorar,
 uma mão para enxugar lágrimas,
enfim,
é ter alguém para amar…
Somos livres para optarmos!
E ser livre não é beijar na boca
e não ser de ninguém.
É ter coragem,
 ser autêntico e se permitir viver um sentimento."
Pra você guardei o amor
Que nunca soube dar
O amor que tive e vi sem me deixar
Sentir sem conseguir provar
Sem entregar
E repartir...
Guardei
Sem ter porque
Nem por razão
Ou coisa outra qualquer
Além de não saber como fazer
Pra ter um jeito meu de me mostrar...
“Não sou para todos. 
Gosto muito do meu mundinho.
Ele é cheio de surpresas, 
palavras soltas e cores misturadas.
Às vezes tem um céu azul,
outras tempestade. 
Lá dentro cabem sonhos de todos os tamanhos.
Mas não cabe muita gente.
Todas as pessoas que estão dentro dele
não estão por acaso.
São necessárias.”
Parece-me, agora,
 que cada pessoa que conheci,
no seu próprio tempo, do seu próprio modo,
 veio somar para que eu chegasse até aqui, 
embora algumas vezes, no calor da emoção da vez,
 eu tenha me rendido
 à enganosa impressão de que veio subtrair.
 A vida tem uma sabedoria que nem sempre alcanço, 
mas que eu tenho aprendido a respeitar, 
cada vez com mais fé e liberdade.
Tem dia em que eu acordo
e faço contato com uma gentileza tão linda 
que desconhece essa história de acertos e erros, 
sejam meus ou alheios.
 Viver é trabalhoso e todo mundo se atrapalha, 
de um jeito ou de outro. 
Toda gente só precisa de consciência, cura e amor.
 Toda gente só quer ser feliz. 
Não há motivo para pressa
 e também não há estagnação,
 eu permito que a vida possa simplesmente fluir, 
sem tentar,em vão,
 amarrar ou alterar o jeito de dizer das suas escolhas
Postar um comentário